Oferta limitada deve voltar a impulsionar as cotações do leite

De janeiro a março, os preços do leite no campo registraram queda acumulada real de 10,7% (deflacionados pelo IPCA). Ainda que neste período a produção seja favorecida pelas chuvas de verão no Sudeste, neste ano, o movimento de desvalorização não esteve atrelado a uma situação de sobreoferta, mas - sim - ao enfraquecimento da procura por lácteos.



27/04/2021 - De janeiro a março, os preços do leite no campo registraram queda acumulada real de 10,7% (deflacionados pelo IPCA). Ainda que neste período a produção seja favorecida pelas chuvas de verão no Sudeste, neste ano, o movimento de desvalorização não esteve atrelado a uma situação de sobreoferta, mas - sim - ao enfraquecimento da procura por lácteos. E, segundo o CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), esta diminuição na demanda foi causada pela queda no poder de compra do brasileiro, pela elevação do desemprego e pelo fim do recebimento do auxílio emergencial do governo.


No entanto, pesquisas do CEPEA (ainda em andamento), mostram que um novo cenário de oferta limitada deve impulsionar o preço do leite captado em março e pago em abril. Dois fatores têm influenciado a diminuição da produção: o avanço da entressafra e a elevação dos custos de produção.


A partir de março, verifica-se redução no volume de chuvas e - consequentemente - uma menor disponibilidade de pastagens, o que prejudica a alimentação do rebanho e a produção de leite no Sudeste e Centro-Oeste. Assim, o avanço da entressafra da produção leiteira é, sazonalmente, um fator de desequilíbrio entre oferta e demanda e - portanto - de elevação de preços entre março e agosto.


Em 2021, no entanto, essa situação deve ser agravada por conta da valorização considerável e contínua dos grãos, principais componentes dos custos de produção da pecuária leiteira. Pesquisas do CEPEA mostram perda substancial na margem do produtor. Com o custo alto, o manejo alimentar dos animais tem sido prejudicado e o abate de vacas estava crescente (aproveitando os preços atrativos do mercado de corte). Consequentemente, a oferta de leite no campo deve seguir limitada nos próximos meses.


Ademais, é preciso destacar que, com a desvalorização do Real frente a outras moedas, as exportações de lácteos são estimuladas. Por outro lado, as importações devem seguir em queda em relação a meses anteriores – ainda que estejam atingindo volumes maiores do que os registrados no mesmo período do ano passado.


Nesse cenário de limitação de oferta, a competição das indústrias pela compra de matéria-prima deve se acirrar, levando, consequentemente, à retomada dos preços ao produtor. Contudo, esse movimento de valorização do leite no campo deverá acontecer de forma comedida, sendo possivelmente freado pela demanda fragilizada.


A pesquisa do CEPEA realizada com apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) mostrou que, em março, as indústrias de laticínios tiveram dificuldades em manter preços atrativos aos seus fornecedores e, ao mesmo tempo, em repassar a elevação do custo da matéria-prima aos derivados. Apesar de haver, portanto, uma tendência de retomada dos preços dos derivados negociados entre indústrias e canais de distribuição, esta ocorre de forma controlada, ainda pressionando as margens da indústria.


Fonte: CEPEA – Boletim do Leite

3 visualizações