Inflação faz consumo de commodities cair no Brasil, aponta Kantar

Ao olhar os gastos do brasileiro com a cesta básica, é possível notar que o consumo de commodities (especialmente açúcar, café torrado e óleo de soja) caiu 2% em unidades entre janeiro e setembro deste ano em comparação com o mesmo período de 2020. A principal razão para isso está no aumento de 25% no preço dos itens. A mais recente edição do Consumer Insights — relatório produzido pela Kantar, líder em dados, insights e consultoria, que contou com a participação de 11.300 lares de todo o Brasil.


Foto: Reprodução/Radar MakingOf


17/12/2021 - Ao olhar os gastos do brasileiro com a cesta básica, é possível notar que o consumo de commodities (especialmente açúcar, café torrado e óleo de soja) caiu 2% em unidades entre janeiro e setembro deste ano em comparação com o mesmo período de 2020. A principal razão para isso está no aumento de 25% no preço dos itens.


A mais recente edição do Consumer Insights — relatório produzido pela Kantar, líder em dados, insights e consultoria, que contou com a participação de 11.300 lares de todo o Brasil — ainda aponta que a queda está ligada à aquisição de artigos práticos e de indulgência. Prova disso é que itens de mercearia doce (a exemplo de chocolates e biscoitos) cresceram 9,6% em unidades, e de mercearia salgada (como salgadinhos, molhos e massa instantânea) apresentaram alta de 1,6%.


O consumo varia de acordo com o perfil de cada classe. Por exemplo, os que buscam conveniência têm entre 25 e 34 anos e pertencem às classes D e E. Já a busca pelo sabor e prazer é feita principalmente por maiores de 45 anos e da classe C.


Independentemente das escolhas, os bens de consumo massivo (FMCG) apresentaram alta no preço médio. A Kantar dividiu os itens em dois segmentos: os básicos tiveram crescimento de 17% no valor e os indulgentes de 9%. No decorrer de um ano, o energético (+8,1 pontos de penetração), a batata congelada (+6,6 pp), os empanados (+6,6 pp) e o chocolate (+6,1 p.p.) foram os produtos que mais ganharam novos lares compradores.


Quando a categoria é bebida, refrigerante é a que mais se destacou durante o terceiro trimestre de 2021. O produto, consumido pelos brasileiros principalmente aos fins de semana e no jantar, apresentou alta em todas as classes sociais: A e B (+9,2 pp), C (+6,7 pp) e D e E (+4,9 pp).


É válido destacar que o consumo em curto prazo está sendo retomado em todas as regiões brasileiras, com alta de 2% em unidades no total Brasil entre o terceiro trimestre de 2020 e o mesmo período de 2021. A Grande Rio foi a principal, com crescimento de 6%. Já a Grande São Paulo, no entanto, aparece no fim da fila, com queda de 2,1%.


As informações são da AD Comunicação & Marketing.


Fonte: Milk Point

5 visualizações