CEPEA: Preços do leite ao produtor podem subir mais de 15% em julho

O preço do leite captado em maio/22, que é pago aos produtores em junho/22, registrou aumento de 4,6% frente ao mês anterior (a quinta alta consecutiva), chegando a R$ 2,6801/litro na “Média Brasil” líquida do Cepea.



27/07/2022 - O preço do leite captado em maio/22, que é pago aos produtores em junho/22, registrou aumento de 4,6% frente ao mês anterior (a quinta alta consecutiva), chegando a R$ 2,6801/litro na “Média Brasil” líquida do Cepea. Desde janeiro deste ano, o leite no campo acumula valorização real de 19,8% (valores deflacionados pelo

IPCA de junho/22). As pesquisas do CEPEA apontam forte elevação dos preços em julho (referente à captação de junho): estima-se que a “Média Brasil” líquida possa subir mais de 15%, ultrapassando o patamar de R$ 3,00/litro.


Este expressivo aumento se explica pela menor oferta de leite no campo. Com isso, as indústrias de laticínios seguiram em disputa pela compra do leite cru, para tentar evitar ficar com capacidade ociosa em suas plantas. Segundo o CEPEA, o leite spot (comercializado entre as indústrias) se valorizou 20,8% da primeira para a segunda

quinzena de junho, chegando a R$ 4,16/litro. A média mensal, de R$ 3,80/litro, ficou 26,2% maior que a registrada em maio. Diante do aumento no custo da matéria-prima e com estoques baixos, os preços dos derivados lácteos dispararam em junho.


Pelo segundo mês consecutivo, a baixa disponibilidade de leite e o aumento dos preços ao produtor e dos derivados continuaram favorecendo a competitividade dos produtos internacionais no mercado doméstico. Assim, as importações de lácteos subiram 30,2% entre maio e junho, com as exportações recuando 31%. Em momentos como esse, de arrancada de preços, a pergunta que paira é: quando o efeito desse choque de oferta nos preços vai passar?


Do ponto de vista da sazonalidade, a produção só deve ser incentivada com o retorno das chuvas da primavera, em setembro. Assim, até lá, a tendência é que os preços permaneçam acima da média anual. Contudo, desde maio, os custos de produção têm aumentado menos do que em meses anteriores. E, apesar de os custos com as operações mecânicas seguirem em alta devido à valorização dos combustíveis, a queda nas cotações do milho tem favorecido a atividade.


Esse cenário e o aumento nas cotações do leite ao produtor têm proporcionado melhora no poder de compra do pecuarista frente ao insumo: em junho, foi a primeira vez em 20 meses que o produtor precisou de menos de 32 litros de leite para adquirir uma saca de 60 kg de milho. Essa melhora na relação de troca pode se reverter em retomada de investimento e favorecer uma recuperação mais rápida da produção.


Porém, a demanda é o fator que deve preponderar a partir de julho na formação dos preços. Conforme o CEPEA, a partir da segunda quinzena de julho, as negociações do leite spot e dos derivados foram prejudicadas pela diminuição do consumo, desestimulado pelos altos preços nas gôndolas. Esse contexto, no entanto, pode se alterar a partir de agosto, com a implementação de programas de transferência de renda, que podem dar maior resiliência para o consumo, evitando quedas bruscas nos preços ao longo da cadeia produtiva.


Fonte: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP) - Canal do Leite


0 visualização