EUA: lácteos continuam em alta entre os consumidores

Embora alimentos que vão desde torta de maçã a cachorros-quentes ser popular entre a população dos Estados Unidos (EUA), eles não têm o apelo de saudabilidade dos laticínios, os quais os americanos consomem em taxas históricas. No entanto, com a proliferação de alternativas não lácteas à base de plantas nas prateleiras das lojas, como seu consumo e popularidade se comparam entre os americanos que já consomem laticínios? Uma nova pesquisa do International Food Information Council (IFIC), "Understanding Dairy Consumers 'Purchasing Behaviors and Habits", está fornecendo algumas respostas.



14/06/2021 - Embora alimentos que vão desde torta de maçã a cachorros-quentes ser popular entre a população dos Estados Unidos (EUA), eles não têm o apelo de saudabilidade dos laticínios, os quais os americanos consomem em taxas históricas.


No entanto, com a proliferação de alternativas não lácteas à base de plantas nas prateleiras das lojas, como seu consumo e popularidade se comparam entre os americanos que já consomem laticínios? Uma nova pesquisa do International Food Information Council (IFIC), "Understanding Dairy Consumers 'Purchasing Behaviors and Habits", está fornecendo algumas respostas.


A pesquisa com 1.014 adultos americanos que consomem laticínios pelo menos algumas vezes por ano comparou com que frequência e qual o motivo eles escolhem produtos lácteos e suas alternativas à base de plantas, com foco especial em iogurte, rótulos de produtos e conceitos como probióticos.

Laticínios e não lácteos: vivendo juntos em harmonia?

Apesar das opções cada vez maiores disponíveis para alternativas lácteas, os laticínios em si, continuam extremamente populares entre os consumidores. Conforme as descobertas, quase três quartos (72%) dos adultos consomem alimentos lácteos ou bebidas; em comparação cerca de um quarto (28%) consomem alternativas não lácteas como nozes, aveia, leite à base de soja, sorvete, iogurte ou queijo.


Os adultos mais velhos têm a preferência mais forte por laticínios em comparação com outras faixas etárias, com quatro em cada cinco (80%) dos maiores de 55 anos dizendo que consomem derivados lácteos várias vezes por semana, em comparação com dois terços (67%) de 18 aos 34 anos de idade e 73% daqueles com idades entre 35 e 54.


Por outro lado, apenas 10% dos adultos com mais de 55 anos consomem alternativas à base de plantas várias vezes por semana, em comparação com cerca de um terço dos jovens (34% dos aqueles com idades entre 18 a 34 e 31% dos 35 a 54). Metade dos adultos com mais de 55 anos afirma nunca consumir alternativas não lácteas, contrastando fortemente com pouco menos de 8% dos jovens de 18 a 34 anos que dizem o mesmo.


Quando os resultados são divididos por alimentos específicos, os americanos preferem queijos feitos de leite às versões vegetais. Cerca de três quartos (74%) disseram que sempre escolhem a versão láctea do queijo, enquanto 20% às vezes escolhem não lácteos.


Comparando outros produtos, 68% sempre escolhem a versão láctea da manteiga, enquanto 23% às vezes escolhem não lácteos; 66% sempre escolhem a versão láctea do sorvete, enquanto 26% às vezes escolhem os não lácteos; 64% sempre escolhem a versão láctea do leite, enquanto 26% às vezes escolhem não lácteo; 62% sempre escolhem a versão láctea do iogurte, enquanto 22% às vezes escolhem não lácteos; e 45% sempre escolhem a versão láctea de smoothies ou bebidas à base de iogurte, enquanto 27% às vezes escolhem não lácteos.


As mulheres são significativamente mais propensas do que os homens a, às vezes, escolher as versões lácteas e vegetais do leite (29% das mulheres contra 23% dos homens), embora as preferências gerais do produto sejam mais semelhantes por gênero.

Culturas de consumo: os benefícios do consumo de iogurte

Os iogurtes apresentam vários benefícios nutricionais e de saúde, incluindo culturas vivas e ativas como Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus. A pesquisa IFIC detalhou as percepções e consciência dos americanos sobre esses conceitos, juntamente com o motivo pelo qual as pessoas consomem iogurte e o que procuram nos rótulos.


Quando os entrevistados foram questionados sobre por que consomem iogurte, o sabor foi o principal motivo para 20% e estava entre os três principais motivos para 48%; seguido por 13% daqueles que disseram que o valor nutricional era o principal motivo (37% o incluíram em seus principais três) e 12% daqueles que citaram benefícios de saúde/opção mais saudável como o motivo principal (38% o incluíram entre os três principais).


Entre aqueles que citaram os benefícios para a saúde como motivadores de compra, um em cada quatro (25%) disse que a saúde digestiva e intestinal era o benefício mais desejado e 24% escolheram a saúde geral e o bem-estar, classificando acima de opções como perda de peso/controle de peso e saúde óssea/prevenção da osteoporose.


Entre os que citaram o valor nutricional como motivador de compra, quase um em cada quatro (23%) disse que o teor de proteína era o aspecto mais importante, enquanto 14% citaram o conteúdo de cálcio, ficando acima de outros nutrientes.


Além disso, a pesquisa também revelou que quando os consumidores consideram os iogurtes lácteos, para 12% o termo “natural” é o item mais importante (com 24% classificando essa entre as duas principais prioridades) — pesquisas da IFIC nos últimos anos, incluindo a recém-lançada 2021 Food and Health Survey, mostraram consistentemente o poder do termo “natural” em influenciar as percepções e escolhas dos consumidores de alimentos e bebidas, uma tendência que continua com o iogurte.


Outros 12% citaram "baixo teor de gordura" (com 20% classificando-o entre as duas principais prioridades), o que curiosamente superou o "leite integral", escolhido como a principal prioridade para 12% e entre as duas principais prioridades de 18% de respondentes.


Quanto aos consumidores que procuram iogurtes à base de plantas, “natural” também é a alegação mais importante para 12%, enquanto “alto teor de proteína” fica em segundo lugar como a principal alegação para 9%. A ligação entre as dietas à base de plantas e um forte desejo de afirmação do teor de proteína também foi encontrada em pesquisas anteriores do IFIC.


Cerca de metade (49%) dos consumidores disseram estar muito familiarizados e saber muito sobre probióticos, em comparação com 35% que disseram o mesmo sobre culturas vivas e ativas. Quase metade (45%) disse que já ouviu falar de culturas vivas e ativas, mas não sabia muito sobre elas, enquanto outros 14% disseram não ter ouvido falar de culturas vivas e ativas, mas gostariam de aprender mais. Dois terços (67%) daqueles que já ouviram falar de culturas vivas e ativas acreditam que um produto que as contenha é melhor para eles.

METODOLOGIA

Os resultados foram derivados de pesquisas online — conduzidas de 1 a 6 de abril de 2021— com 1.014 adultos com idades entre 18 e 80 anos que consomem laticínios pelo menos algumas vezes por ano. Os resultados foram ponderados para garantir resultados proporcionais. A pesquisa foi apoiada pela International Dairy Foods Association.

As informações são do Dairy Industries Internarional, adaptadas pela Equipe MilkPoint.


Fonte: MilkPoint

2 visualizações