Embrapa alerta sobre os riscos de aumento nos casos de leptospirose bovina

A intensificação das chuvas nesta época é propícia para a proliferação de diferentes microrganismos causadores de doenças, como a leptospirose, que acomete diversas espécies de animais, incluindo os bovinos. Na forma crônica, a doença causa aborto em vacas no final da gestação. Já, na fase aguda, ocorrem lesões renais que podem levar à falência renal e à morte de bovinos jovens e adultos.



19/01/2021 - A intensificação das chuvas nesta época é propícia para a proliferação de diferentes microrganismos causadores de doenças, como a leptospirose, que acomete diversas espécies de animais, incluindo os bovinos. Na forma crônica, a doença causa aborto em vacas no final da gestação. Já, na fase aguda, ocorrem lesões renais que podem levar à falência renal e à morte de bovinos jovens e adultos.


De acordo com o médico veterinário Raul Mascarenhas, da Embrapa Pecuária Sudeste, os prejuízos para o pecuarista estão associados principalmente ao abortamento. “Como ocorre apenas ao final da gestação, muito provavelmente a vaca irá permanecer mais de um ano sem produzir leite. Outro prejuízo é a perda do bezerro, que pode ser uma fêmea leiteira ou um animal de elevado valor genético". O veterinário ressalta que ao evitar casos de abortamento, o produtor já paga o investimento de um ano em medidas preventivas adotadas.


A leptospirose é causada pela bactéria Leptospira spp, transmitida aos animais pela ingestão de pastagem contaminada ou contato com água ou solo encharcado contaminados. Em condições de baixa umidade ambiental e incidência direta de raios solares, a bactéria só permanece viva por 30 minutos. Já, em condições de alta umidade e de pH neutro ou levemente alcalino, a Leptospira pode sobreviver por semanas ou meses. Em meio aquoso, ela é capaz de se locomover até encontrar um hospedeiro, por isto a leptospirose bovina é mais frequente na época de chuvas.


Se houver a presença da Leptospira spp em animais de uma propriedade, o veterinário recomenda fazer o diagnóstico de forma rotineira no rebanho e também conhecer qual sorogrupo é predominante. Isso é feito por meio de exames de sangue.


“Por que isso é importante? Suponha que ao fazer exames de sangue nos animais, o sorogrupo mais comum encontrado seja o ‘Icteriohaemorrhagiae’, comum de roedores. Portanto, os ratos possuem um papel importante na transmissão da doença nesse rebanho. Ou pode ser que o sorogrupo predominante seja o "Hardjo", mais comum de bovinos. Nesse caso, a transmissão da doença ocorre principalmente por meio dos próprios bovinos”, esclarece Mascarenhas.


Com essas informações, o produtor poderá definir a melhor estratégia de controle e prevenção. Se o problema for a Leptospira transmitida por ratos, o pecuarista terá que fazer um controle mais eficiente de roedores, mantendo os ambientes limpos de restos de comida, uso de armadilhas, acondicionamento e proteção da ração em depósitos, higienização frequente das instalações, etc. Se a transmissão estiver ocorrendo entre os próprios bovinos, Mascarenhas aconselha que o produtor foque em medidas que evitem a infecção, como redução e cercamento de áreas alagadas, vacinação e tratamento dos animais.


A vacinação contra a leptospirose não impede a infecção, mas reduz os sintomas. Quando necessária, esta medida de prevenção deve ser adotada no mínimo a cada seis meses. No entanto, dependendo da média mensal de casos de abortamentos no rebanho, a vacinação deve ser realizada em intervalos menores, a cada 3 ou 4 meses. Além disso, como existe associação de leptospirose com a época chuvosa, é recomendado programar uma das vacinações para um mês antes do início desse período. Já, o tratamento é feito com a aplicação do antibiótico estreptomicina.

Fonte: Embrapa Pecuária Sudeste

4 visualizações

Acompanhe o SILEMG

  • Facebook Social Icon
  • Instagram

© Copyright 2020 SILEMG. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por RS Comunicação e Tecnologia